segunda-feira, 28 de setembro de 2009

TEMPESTADE


E a tempestade veio com o ribombar do trovão, o relâmpago rasgou o céu e a chuva trouxe de novo o odor a terra molhada, enchi os pulmões daquela aroma, baixei-me e toquei a terra, com as mãos ainda sujas de lama, sequei a lágrima que teimou em cair.
Aqui fico, a viver dia-a-dia sem esperar muito do que está para vir...

Bruno:Carvalho

Foto por: Fernando Silva

sábado, 26 de setembro de 2009

PARADISE LOST

Sai este fim-de-semana o novo álbum de mais uma das bandas pertencentes ao meu cardápio musical. É uma banda que me tem acompanhado ao longo dos últimos quinze anos, surgiu na altura em que descobri que o metal era a música que me fazia sentir vivo, pertenciam na altura à chamada trindade do death/doom britânico constituída pelos Paradise Lost/Anathema/My Dying Bride.
"Faith Divides Us - Death Unites Us", é o título do décimo segundo trabalho dos Paradise Lost, qualquer que seja o nosso credo a morte há-de nos juntar, deixo-vos aqui o novo single, o tema título. "Faith Divide Us - Death Unites Us", o regresso em excelente forma dos magos da música melancólica.

Paradise Lost
"Faith Divides Us, Death Unites Us"





quinta-feira, 24 de setembro de 2009

SAÍDA

Finalmente tudo começa a fazer sentido...
Sou muito maior, pensava ser minúsculo mas a minha determinação é gigantesca
Causas perdidas dizes tu...
Existe sempre uma saída se não teimares insistentemente em fechar a porta!

Bruno:Carvalho
2009



terça-feira, 22 de setembro de 2009

PROMESSAS VÃS

Porque continuamos a fazer promessas vãs? Porque insistimos turvados pela paixão a prometer coisas que não poderemos cumprir?
Só servem para passada embriaguez inicial nos sentirmos pequenos e inúteis, ou então para nos rirmos às gargalhadas da nossa própria ignorância.
Porque prometemos ficar, se dentro de alguns dias, meses, ou anos partimos sem dizer adeus, sem olhar para trás?
Porque prometemos mudar quando no fundo nos conhecemos demasiado bem para saber que não o faremos?
Porque prometemos nunca magoar, trair ou enganar, quando temos a certeza que o faremos? Está-nos no sangue, pequenas e estúpidas criaturas, justificamos a tristeza com a nossa eterna necessidade de atenção e aceitação.
Solitários somos, solitários merecemos ser.
Disfarçamos a inveja com o interesse em saber, com a preocupação, mas bem no fundo somos apenas egoístas, o nosso bem estar acima de tudo.
Altruismo? Mais um utopia difundida por dois mil anos de mentiras.
Teimamos em acreditar, não queremos é ver a verdade, a nossa verdade, a melhor entre as milhões de outras verdades.
E assim seguimos rumo ao abismo sorridentes e conformados.

Bruno:Carvalho
2009

domingo, 20 de setembro de 2009

FARTO


Pior do que a sensação de perder uma vez é a sensação de perder sempre. A solidão é a vã loucura de tudo querer e nada ter, tudo se esfuma sob uma cortina de fumo mais ou menos densa.
E eu fico triste e melancólico, sou arrastado, estou acordado mas cego.
Estou farto de mim.
Estou farto de tentar ser diferente mas no fundo ser exactamente igual.
As horas passam, enquanto a raiva fervilha no meu corpo tomo consciência que tudo é culpa minha, pois eu sou responsável pelos meus actos, os meus erros, as minhas decisões...
E teimo em atolar-me no pântano.
Se tiver que vir que venha rápido, estou farto!
Não é um dia bom, que os meus leitores me perdoem.
Hoje é um dia em que o silêncio faz todo o sentido.

Bruno Carvalho

Foto por: Nelson Silva

sábado, 19 de setembro de 2009

ADRIFT


In dire need for truth
I won't prey tonight
I do need redemption
Not another lie
I long to feel, do you have what it takes?

A long road,
Adrift along the path
I crave for home
But forever I will wander
Yes, I do want to know you better

A safe step in the shore
I grab your hand, can't feel fear anymore
Is this the safety they told?
Is this the beginning?
There was no end, how could this begin?

In you I trust, in you I lay the sorrows I bare
Eternity it's never far enough
But my heart still dwells in darkness
Pain is my name,
Hope my disgrace

Can I rely on you?
Would you have the courage to follow
When my only choice is to fall?
Would you have strength to face your own fear?
Let me enter, I'm right here at the doorstep

Maybe there's still hope
Autumn comes sweet and swift
Winter will arrive but in your heart will always be summer

Bruno:Carvalho
2009








sexta-feira, 18 de setembro de 2009

PROMESSA

Apesar da promessa no teu olhar e da confiança no teu sorriso, ambos sabemos que nada mais acontecerá para além de uma possibilidade.
Apesar de tudo isso ser quase um dado adquirido, a imprevisivibilidade da vida deixa-me aquele pequeno espaço para me manter atento e alerta.
Nada é real, tudo é permitido.

Hoje o dia despertou chuvoso e cinzento, a chuva da qual tinha tantas saudades voltou, deu-me especial prazer percorrer os escassos metros entre o carro e o escritório debaixo daquela suave torrente de liberdade.
Quando entrei e vi os meus companheiros de trabalho, cabisbaixos e tristes, permiti-me sorrir interiormente e perceber o quanto somos diferentes, eu consigo ver beleza para além do cinzentismo, eu consigo alegrar-me onde os outro vêem tristeza.
Sentei na secretária enquanto a meu lado a chuva batia no vidro e ao longe as nuvens cobriam sorrateiramente a serra, engolindo nos seus braços etéreos a vegetação ávida por água.
E as palavras jorraram de novo dos meus dedos, a chuva veio e levou o vazio, o teu sorriso desabrochou e trouxe a inspiração, paulatinamente o meu corpo liberta-se, extravasando poesia, recolhendo serenidade e paz.
Tudo tem uma razão para acontecer, estas palavras só poderiam ser sentidas após a chegada da tão ansiada chuva e o regresso do teu sorriso.
E assim corre o dia e a noite chegará, e quando chegar, chegará serena e eu serei acolhido pelo o teu recém nascido sorriso e quebrarei a promessa do teu olhar com um beijo ardente.

Bruno carvalho

Foto por: Maria Salvador

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

FORSAKER

Já que estamos numa de música não podia deixar de passar em claro que os fabulosos Katatonia editam o seu novo álbum entitulado "Night Is The New Day" em Outubro, por isso deixo-vos aqui uma música retirada desse álbum e como poderão ver a genialidade, a emoção, o sentimento, continua tudo lá, chegamos a um ponto de questionar se alguma vez fizeram uma música má.

KATATONIA
"Forsaker"





terça-feira, 15 de setembro de 2009

THE FURY

So I lay the fury in my hands
For they shall not rest until the work is done
No more sorry no more repent
The night shall come eternal

B:C
2009

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

CHUVA

Sinto falta da chuva, do cheiro da terra molhada, do som das gotas a embater no vidro da janela, sinto falta de estar com a cabeça encostada a esse mesmo vidro com uma chávena de chá na mão enquanto o calor se apodera de mim e a cadência da chuva me faz adormecer.
Sinto falta de a sentir cair sobre mim, de me sentir livre e vivo sob ela, sinto falta do doce Outono e do fiel Inverno.
O sol já cansa, a terra seca, o calor cola-se pegajoso ao meu corpo e ali fico doentiamente molhado de roupas coladas ao corpo, mãos escorregadias e espírito letárgico.
Semi-adormecido na dormência emergente, contemplo triste o meu espírito vazio, a ausência de inspiração dilui-se numa alegoria melancólica ao silêncio e ali fico silenciosamente esperando com a cabeça apoiada nas minhas mãos suadas à espera que a chuva venha e leve toda esta sensação de vazio.


Bruno Carvalho


sábado, 5 de setembro de 2009

PÂNTANO


É a tua vez de jogar, movimenta as peças no tabuleiro, refaz a estratégia, um novo jogo começa não necessariamente onde o outro terminou.
Não existe antídoto para uma vitória, dispostos no terreno somos meros reflexos jamais sonhados, nunca planeados, pensamentos destroçados ao sabor da vontade própria, do alto da nossa presunção pensamos que nos movemos confiantes, que aquele é o passo mais certo a dar a seguir ao outro anterior que nos pareceu um pouco dúbio.
E ficamos de alguma forma invadidos, o nosso corpo como território selvagem desbravado por invasores, descobridores da nossa natureza, nesse momento o amor fica ali, pairando como um fantasma esquecido no campo de batalha, um dado novo, uma nova constante na equação.
Estarrecidos pela aquela nova revelação ficamos inconscientes de que todo aquele novo sentimento nasceu de facto da crueldade daquele sabor amargo que sentimos por vezes na boca e não de qualquer gesto altruísta. Movemo-nos mais facilmente no pântano que se tornou a nossa insignificante vida, por isso aqui continuamos afundados, ignorantes que ali ao lado, à distância de um pequeno passo, corre um rio solto, em forma de sorriso, em forma de palavra atirada descontraidamente sem qualquer outro objectivo ou sentido a não ser o de expressar carinho.
Ali ficamos felizes por estarmos longe da corrente, sem sabermos que somos feitos de corrente, de tempestade, de mutabilidade.
Podemos ser um momento no tempo, uma carcaça com prazo de validade, mas o que nos preenche, o que somos de verdade, não tem validade, não é um momento no tempo mas todo o tempo.
E que chegue depressa o Inverno que os céus desçam em forma de tempestade, para que a lama endurecida pelo sol possa ser dissolvida e nos liberte, pois o jogo recomeça a cada derrota e com o cheiro da terra molhada nota-se já um suave aroma a vitória.

Bruno Carvalho

DON'T BOTHER

Don't mind me, just wandering around drawing circles in the air Don't mind me, nothingness is just a state of mind Don't bo...