CHUVA

Sinto falta da chuva, do cheiro da terra molhada, do som das gotas a embater no vidro da janela, sinto falta de estar com a cabeça encostada a esse mesmo vidro com uma chávena de chá na mão enquanto o calor se apodera de mim e a cadência da chuva me faz adormecer.
Sinto falta de a sentir cair sobre mim, de me sentir livre e vivo sob ela, sinto falta do doce Outono e do fiel Inverno.
O sol já cansa, a terra seca, o calor cola-se pegajoso ao meu corpo e ali fico doentiamente molhado de roupas coladas ao corpo, mãos escorregadias e espírito letárgico.
Semi-adormecido na dormência emergente, contemplo triste o meu espírito vazio, a ausência de inspiração dilui-se numa alegoria melancólica ao silêncio e ali fico silenciosamente esperando com a cabeça apoiada nas minhas mãos suadas à espera que a chuva venha e leve toda esta sensação de vazio.


Bruno Carvalho


Comentários

rute disse…
Não sei se a chuva tem tais capacidades...
Mas que sinto, também, falta dela...
Sinto!
poteta disse…
também sinto saudades da chuva... como canta o james morrison, please dont stop the rain! mas tambem encontro prazer no calor que se cola pegajoso ao corpo!

que a chuva chegue, encha o vazio e regue o espírito!
dyphia disse…
ela já chegou... :D
beijos

Mensagens populares deste blogue

RE(CANTOS)

A QUEDA