sábado, 23 de janeiro de 2010

ESPIRAL


Fizeste-me provar o céu e deixaste-me no inferno.

No meu inferno, na minha solidão, na minha prisão interna, carpindo as culpas que se colam a mim, levanto-me uma vez mais da lama, a escuridão envolve-me carente, como se a tivesse abandonado.
Troquei-te por sanidade, como a sanidade pudesse travar o desejo que tenho de ti, pontuo as minhas insónias com memórias, memórias que quero apagar, pois ferem o meu corpo, doem...
Das cicatrizes que carrego agora a tua é a mais fresca, basta um toque, uma palavra para ela voltar a sangrar.
Já com os olhos habituados de novo a nada esperar, ergo-me do pó para renascer. Como sempre fiz, como fui habituado a fazer. É um ciclo vicioso de ilusão, paixão, rejeição e queda. Como se a minha vida fosse feita de abismos, intransponíveis, de utopias.
Volto a ser o que sempre fui, descrente na humanidade.
Os meus gritos saem movidos a fúria e morte, deixa-me agora, deixa-me desaparecer de novo no espelho.
Espero que sejas de novo tão feliz como foste comigo, a minha tristeza será proporcional ao desejo que tenho agorta por ti, de estar dentro de ti, mergulhado no teu corpo, ancorado nos teus lábios.


Bruno:Carvalho


Foto por: Nuno Almeida

2 comentários:

Abelha Charlatona disse...

as pessoas que nao nos mereçem tem que estar longe de nos, longe do nosso pensamento.

tens que ser forte.
pati*

Ayl disse...

Quanto mais forte a dor, maior o desafio.
Fecha a porta a isso. Já chega.
Avançar significa reconhecer que não há mais o que fazer a não ser esquecer.
O mundo está cheio de acidentes há espera de acontecerem. Este foi apenas um ;)

EXORCISMO

Exorciza os demónios da minha alma Os fantasmas inumanos que consomem a minha carne Liberta-me, perdoa-me. Exorciza o meu corpo com...