BELEZA


Abri a garrafa de vinho e enchi meio copo, sentei-me na minha poltrona favorita e carreguei no play da aparelhagem, deixei o som fluir pela sala, inclinei a cabeça para trás e ali fiquei com o aroma do vinho a entranhar-se sensualmente em mim, como o som, a sensação de felicidade espalhava-se pelo interior daquelas quatro paredes, ergui o copo de vinho à luz das velas dispersas na mesa, a sua cor rubi incendiou o meu olhar, fixo naquele ponto de luz imaginei...

...beijei cada pedaço da tua pele, absorvi o teu aroma conforme fazia o meu nariz arrastar-se pelo teu pescoço, subi aos poucos, beijei o lobo da tua orelha, mordisquei ao de leve, enquanto tu libertavas um suspiro amordaçado pelo prazer, enterrei os meus lábios nos teus e ali fiquei, preso entre a realidade e um sonho interminável...

Levei o copo aos lábios e sorvi um pouco daquele néctar divinal, o liquido escorreu pela minha garganta abandonando a minha boca ao sorriso entretanto formado, expeli um longo gemido, um orgasmo disfarçado de puro arrebatamento, os meus olhos abriram-se de novo para fitar os teus do outro lado da mesa, de copo erguido fizemos um brinde à beleza e doçura para sempre eternizadas naquele momento.


Bruno:Carvalho
2010

Comentários

só tu escreves assim :)

Mensagens populares deste blogue

RE(CANTOS)

A QUEDA