sábado, 6 de fevereiro de 2010

CEGO


Quem és tu que apareces sorrateiramente nos meus sonhos, que entras no meu corpo e o arrastas para um sono agitado?
Quem és tu que vens de mansinho e sussuras levemente ao meu ouvido, que aspalhas escuridão onde outrora houve sol?
Quem és tu que me roubas os sonhos e a vontade de voar, quem és tu que desferes estes golpes que inundam a minha alma?
No auge da minha insónia julgo ver-te numa visão esborratada, misto de realidade e de delírio inconsciente, frágil recolho-me dentro de mim, onde é mais seguro, onde é mais sereno.
A paz é breve porém, quando destemida estilhaças as minhas janelas interiores, impotentente assisto a tomares conta de novo de mim, mais um pesadelo, mais uma hora sombria...
Quem és tu? Porque não te mostras à luz? Porque não assumes a tua bestialidade e me enfrentas olhos nos olhos?
Na frieza da noite luto contra uma ameaça invisível, identidade cuja única prova é um reflexo num espelho na escuridão cerrada de um quarto vazio.
Afasta-te de mim déspota!
Amor cruel disfarçado de paixão com mãos de veludo e toques de excitação!
Afaste-te de mim esperança infiel, deixa-me ver finalmente a pureza da verdade!

Bruno:Carvalho
2010


Cegueira Bendita

Ando perdida nestes sonhos verdes
De ter nascido e não saber quem sou,
Ando ceguinha a tatear paredes
E nem ao menos sei quem me cegou!

Não vejo nada, tudo é morto e vago...
E a minha alma cega, ao abandono
Faz-me lembrar o nenúfar dum lago
´Stendendo as asas brancas cor do sonho...

Ter dentro d´alma na luz de todo o mundo
E não ver nada nesse mar sem fundo,
Poetas meus irmãos, que triste sorte!...
E chamam-nos a nós Iluminados!
Pobres cegos sem culpas, sem pecados,
A sofrer pelos outros té à morte!


Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"


Foto por: JRenato

1 comentário:

Abelha Charlatona disse...

adoro blorbela espanca :)

beijinhooo

DON'T BOTHER

Don't mind me, just wandering around drawing circles in the air Don't mind me, nothingness is just a state of mind Don't bo...