sábado, 25 de setembro de 2010

DESCOBERTA

Em busca da solução final para a nossa felicidade, frequentemente parecemos uma boa de pinball, embatemos em tudo e mais alguma coisa, mas nunca achamos o caminho correcto.
Se calhar é disso que o caminho é feito, de obstáculos, dúvidas, ansiedades, desejos reprimidos, se calhar trocamos a facilidade e o imediatismo pela paciência e certeza, trocamos o toque ao de leve pelo abraço.
Tão fácil é compreender o amor como um mar de rosas e não como um roseira de cheia de espinhos que frequentemente desabrocha, isto é, amar subentende dificuldade, dúvida, medo, mas felizmente no final também implica compreensão, paixão e certeza.
Às vezes sentimo-nos presos a algo que não queremos sem saber que é algo que sempre desejámos, interpretamos levianamente os sinais, com um único objectivo, a compensação imediata, o afecto e a admiração, o acariciamento do ego.
Assim podemos sempre brilhar, pulando de afecto em afecto inconscientes que já encontrámos.
A vida é uma descoberta, não passiva mas comandada pelos nossos sentimentos.


Bruno:Carvalho
2010


1 comentário:

Araúja Kodomo disse...

Lindo texto mesmo, gostei bastante *

DON'T BOTHER

Don't mind me, just wandering around drawing circles in the air Don't mind me, nothingness is just a state of mind Don't bo...