segunda-feira, 4 de outubro de 2010

GREY

Lembras-te como o sol brilhava na lezíria, lembras-te como o trigo reflectia-se dourado no teu rosto?
Lembras-te como as nossas brincadeiras de criança nos levavam a novos mundos?
Lembras-te como foi doce o primeiro beijo? O primeiro abraço a primeira vitória, a primeira descoberta?
Tempos que não voltam mais, tempos inseridos na matriz do tempo, para serem recordados e não jamais vividos de novo.
A vida move-se como as areias do deserto movidas pelo vento, fazemos de tudo para voltar a viver o passado, esforçamos-nos tanto para voltar a sentir o que passou que não nos apercebemos que o presente nos escapa, entre os dedos, como essa mesma areia.
A sombra desenvolve-se além da janela aberta, tomamos como mais uma lufada de azar, a miséria que nos abraça a tristeza que nos consome é o resultado de mais uma desilusão, de mais uma partida, de mais um falecimento, mas é muito mais que isso...
É o mundo que nos corrompe de novo, que tenta abalar as nossas crenças, por momentos esquecemos-nos que a vida é de facto conduzida por nós, vemos-nos no lugar do passageiros de novo.
Os mil e um tons de cinzento invadem de novo a nossa paleta de cores, ou dourado da lezíria transforma-se num sépia de um passado longínquo, uma memória de infância que não podemos de todo esquecer mas que insistimos demasiadamente reviver.
E enquanto em mais uma noite a coruja faz de novo o seu ninho na chaminé, nós trememos na cama, com medo do desconhecido, com medo de nós próprios e da vida que escolhemos ter.

Bruno:Carvalho
2010




This is my color
This is my legacy
Take what you need
And leave me behind

This is my offer
Take it or leave it
End of all games
Without me it all remains the same

Come here and live my life
As if it's yours my friend
I know it's hard
So hard to understand

And you let me beg you
I am tired and weak
Let go of my hand
I feel no regret

Tell me please
Where do you come from?
And let me know the price to pay
I wish I knew where I belong to
How did you find me anyway?


4 comentários:

Araúja Kodomo disse...

Bem bonito ;) *

Narcolepsia disse...

No presente existem também descobertas e vitórias que no futuro serão olhadas com nostalgia, como sendo passado. Parece que o sol não volta, mas vem todas as manhãs, umas mais brilhante do que outras e a primavera vem todos os anos. Há sempre algo a descobrir e há muitas coisas ainda pra fazer pela primeira vez. Se escolhemos a vida que temos, não deveriamos ter medo e sim ansiedade e vontade de viver os minutos e dias que se seguem. Mas há coisas que não podemos escolher...O que conseguimos controlar tem limites.
Beijo

Narcolepsia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Narcolepsia disse...

Há dias em que parece que o melhor ficou no passado, e a nostalgia nos envolve e confunde, tornando-se dificil encarar o presente e futuro

EXORCISMO

Exorciza os demónios da minha alma Os fantasmas inumanos que consomem a minha carne Liberta-me, perdoa-me. Exorciza o meu corpo com...