sexta-feira, 22 de junho de 2012

"Songs of darkness, Words of light"

Talvez tenha passado demasiado tempo na escuridão para perceber que existe realmente luz. Por outro lado posso não reconhecê-la pois no fundo nunca ninguém me disse como ela era.
Chamam-me diversas vezes demasiado melodramático, entre a teatrealidade e um limbo meio indefinido. Como sempre, não vejo isso como algo mau. não desdenho a escuridão, muito pelo contrário, acho-a adorável.
Quando se conjugam ambos silêncio e escuridão atinjo um estado de espirito que sob quaisquer outras condições seria impossível atingir.
É como ter água bem perto para beber mas escolher veneno, é como querer montar um puzzle e faltar sempre uma peça.
Posso confirmar que a escuridão é excelente para deambular, simplesmente vaguear, mesmo sabendo que a determinada altura acabarei por embater em algo por mais vísivel que seja. Os meus olhos habituaram-se ao escuro tanto que o sol de Verão que por este canto do universo grassa no momento me fere os olhos.
É impossível largar a noite quando ela foi responsável ppor quem somos agora. Orgulho-me todos os dias de olhar-me ao espelho, de dia disfarço-me, mas à noite tiro a máscara, todos sabem quem sou.
Tirando qualquer romanticismo ou miticismo à noite, perdemos os monstros e outras criaturas para ganharmos o ego que se esconde no pino do meio-dia.
Como orgulhoso melodramático que sou não podia deixar outra música após este texto semi despido de pretenciosidade, completamente nu de inspiração.

Portanto as palavras serão sempre de luz e as canções de escuridão.

Bruno:Carvalho
2012

EXORCISMO

Exorciza os demónios da minha alma Os fantasmas inumanos que consomem a minha carne Liberta-me, perdoa-me. Exorciza o meu corpo com...