sexta-feira, 23 de novembro de 2012

DROP

Drop by drop I watch my soul drip down to the crimson floor. That's my perdition they say, as if anyone can ever imagine what I've been through...
In the end I knew that I've lost myself before I lost you.
It's a fact, a cruel one, but nonetheless a fact, love isn't an emotion until we put all of us into it, not a tear left behind, not a breathe left aside, nothing. Love is all we are, period.
Based on this I now asure you that I don't know you a bit, who are you, left astray in my dreams? Who are you which name can't be spoken loud in the crowd?
Who am I to be in your list?
Even not knowing you at all, I know I love you,
It's a little bit stupid I know, but sometimes I know that you don't speak clearly, you speak in riddles, my heart pumps when I fortunately trip in one of those.
I recall saying my fellow companions, the shadow between the night and the dawn, that you're one of a kind, I confess I still say, but reality is a crude wake up call, how can I explain you the way I feel if we don't know each other, literaly.
How can I describe this unexplanable feeling that floods my soul when I see you?
How can anyone comprehend if no one it's couragous enough to open a mind to this kind of feeling?
I cherish in my lips your imaginy ones. I promise I can feel them, I really do....
If only I could have a chance to tell you...
My soul it's almost drained from my body and my heart fades in silence.
And you Luna, my only and true love, come get me at last, death awaits me for a long time.

Bruno:Carvalho
2012

sábado, 3 de novembro de 2012

MUROS

Teimamos em construir muros onde não são necessários, dentro de nós...
Mantemos-nos por detrás de teclados de computador como se assim nos sentíssemos seguros e certos que isso nos guarda o segredo que está no nosso coração.
Tememos o toque, a palavra sussurrada ao ouvido, descartamos cada vez mais a cumplicidade e e amizade porque simplesmente nos esquecemos do quanto ela nos preenche.
Perdemos a humanidade pouco a pouco, projectamos nos outros aquilo que nunca fomos, inconscientes que a resposta sempre teve dentro de nós.
Não precisamos de ninguém para nos realizarmos pessoal, primeiro busquemos a nossa paz interior, só depois busquemos a paz dos outros que complementará a nossa.
Que imagens são estas que nos fazem sonhar um mundo diferente?
Que palavras são estas que nos inspiram medo e incerteza?
O calor da nossa cama nunca foi tão frio, levamos o corpo e a mente quase à exaustão a sonhar com a pessoa ideal mesmo sabendo que esta não existem, somos todos uns tolos sem asilo.
Trocamos um futuro distante e indefinido por um presente certo e coerente.
Muros com o tempo podem cair, mas as correntes que nos prendem a esse muro podem durar para sempre. Mesmo tendo a verdade à nossa frente teimamos em seguir a mentira, depois, quando nos surge o abismo a nossos pés é que nos lembramos que um dia fomos humanos, tarde demais...

A mudança à velocidade da luz obriga-nos a ter medo, a arriscar, uma vela num quarto iluminado não faz qualquer diferença, mas uma vela numa noite escura pode ser a única luz que nos impede de desistir a busca pelo caminho.
E tantas formas pode tomar essa vela...

Bruno:Carvalho

DON'T BOTHER

Don't mind me, just wandering around drawing circles in the air Don't mind me, nothingness is just a state of mind Don't bo...