ALÉM DA ETERNIDADE

Sentámos-nos numa pedra à beira da Lagoa Azul, uma brisa de verão soprava ligeira sobre a sua superfície, tu estavas vestida de sol eu vestido de sonho.
Vimos os cisnes bonitos a velejarem sob a água, tão graciosos como bailarinos numa noite de bailado, pairavam por aí como se de um palco se tratasse.
A vida é bela e nem ao destino lhe é permitido estragar o seu sublime curso. Ficámos ali, em silêncio, numa conversa que prescindia de palavras, eu mergulhava nos teus olhos castanhos claros, cristalinos como a própria água, tu sorrias confiante da minha perfeita imperfeição.

A tua voz, acordou-me do sonho, do momento mágico, do espectáculo magnífico que sobre tão tenro olhar se desenrolava.

"Dás-me um beijo?" - disseste, acordando cada poro da minha pele, cada gota de sangue das minhas veias, cada recanto adormecido da minha alma.

Sorri, só podia sorrir...
"Não" respondi. A surpresa passou pelos teus olhos de azeitona e maresia...
"Porque não?"
Expliquei o mais apaixonada e sinceramente que podia.
"Porque estragaria para sempre o melhor momento da minha vida"
"E que momento será esse?" retorquíste muito séria.
"O momento que com esse beijo selarei a nossa eternidade"...
O sol escondia-se por detrás do monte quando deixámos os cisnes entregues ao seu bailado e de mãos dadas caminhámos rumo ao nosso firmamento, tão naturalmente na nossa inocência, tão confiantemente na nossa certeza que as coisas tomariam o seu rumo normal.

Bruno:Carvalho
Abril 2015


Comentários

Anónimo disse…
Meu Deus, incrivelmente bonito !!!

Mensagens populares deste blogue

RE(CANTOS)

A QUEDA