DIFÍCIL

É difícil olhar para trás e não conseguir encontrar a altura em que te perdi e com isso me perdi a mim mesmo.
O tempo avança e tento manter-me à tona, viver o presente, enterrar o passado e esperar que haja um futuro, mas não é fácil esquecer algo com o que se viveu tanto tempo...
É difícil escolher as palavras certas para os momentos certos, tantos erros, tanta coisa mal dita, tanto grito sufocado na garganta. 
É difícil não desistir apesar de tudo parecer contra ti, dizem que o amor é o maior sentimento e que o tempo tudo cura, mas então porque estou assim perdido, à deriva num navio sem velas, vagueando ao sabor das marés.
É difícil dormir, quando te sonho apenas a ti, todas as outras noites perdem na obscuridade de um amanhecer encoberto.
É difícil evitar chorar quando vejo o teu sorriso, como uma flor que desabrocha numa manhã de Primavera inconsciente da beleza que ostenta.
Tudo me resta é apanhar os pedaços do que sobrou de mim e tentar colá-los com a pouca força que me resta.
Difícil deixar-te para trás, lá no indistinto passado, quando tu és eterna e intemporal.
É aquele sentimento de arrebatamento, quando caminho pela floresta e respiro o ar livre da manhã, o mesmo acontece quando passas por mim e o teu perfume entranha-se sob a minha pele, e os teus cabelos se tornam uma vela desfraldada na liberdade, a vela que pode levar o meu navio a bom porto...
Sou eu, apenas eu, com tudo o que faz ser quem sou, defeitos, imperfeições, desilusões, sonhos e desejos.
Deixa-me voltar a ser eu para voltares a ser eu.
Deixa-nos ser um só...

"We belong together"

Bruno:Carvalho
Julho 2015


Comentários

Anónimo disse…
Fascinas-me com a tua escrita ....
fios de luz disse…
Não tens de quê ... fios de luz

Mensagens populares deste blogue

RE(CANTOS)

A QUEDA