quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Untitled

Dai-me um dia branco, um mar de beladona 
Um movimento 
Inteiro, unido, adormecido 
Como um só momento.

Eu quero caminhar como quem dorme 
Entre países sem nome que flutuam.

Imagens tão mudas 
Que ao olhá-las me pareça 
Que fechei os olhos.

Um dia em que se possa não saber.
SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN
In Coral, 1950


Sem comentários:

ÂNSIA DE PARTIR

A falsa imortalidade da alma Falsos discursos, palavras apagadas pelo tempo Amores destroçados pela minha incerteza Quero apagar-m...